O que são crenças limitantes e como elas afetam sua vida?

crenças limitantes
Facebook
Twitter
Pinterest

Você já se pegou dizendo em voz alta ou interiormente “isso nunca vai funcionar”? Ou que “nada dá certo para mim”? Você se sente preso a condições que projetam que a vida é difícil, que é impossível alcançar seus sonhos? Se sim, você pode estar carregando crenças limitantes.

Crenças limitantes são um conjunto de pensamentos e sentimentos limitantes sobre você mesmo, o mundo em torno de você, e o que você pode ou não pode fazer dentro dele.

Neste artigo, vamos abordar o que são crenças limitantes, quais são as principais fontes de crenças limitantes, e como você pode trabalhar para desprogramar essas crenças limitantes usando a Desprogramação Neurobiológica (DNB).

O que são crenças limitantes?

Crenças limitantes são crenças profundamente enraizadas que você possui sobre si mesmo ou o mundo em que vive, e que acaba limitando suas realizações. Elas são normalmente formadas na infância, mas podem se desenvolver durante toda a vida. Elas podem ser positivas ou negativas e se estabelecem como verdades absolutas.

As crenças limitantes podem se manifestar de várias formas, como dificultar a tomada de decisões e atitudes, manter as pessoas em situação de estagnação ou limitar seus avanços e conquistas na vida. Elas também limitam o quão bom você se sente em relação a si mesmo e às suas capacidades. Algumas vezes, as crenças limitantes são profundamente arraigadas e difíceis de serem reconhecidas.

Este tipo de crença limitante pode estar ligada à auto-estima, auto-confiança, definição de metas, desempenho pessoal, relacionamentos e muito mais. Por exemplo, alguém pode acreditar que nunca vai conseguir se aproximar das pessoas, então ele/ela não tenta se relacionar com outras pessoas, e assim limita a si mesmo. Outra pessoa pode acreditar que nunca vai alcançar o sucesso, o que o impede de alcançar seus objetivos.

A maneira de lidar com essas crenças limitantes é reconhecer e aceitá-las, mas também questioná-las e procurar alternativas. É importante entender que essas crenças limitantes não são verdades absolutas, mas sim, crenças que foram criadas por você e que podem ser mudadas. Ao adotar esta postura, é possível substituir as crenças limitantes por outras mais positivas que lhe permitam alcançar seus objetivos.

Crenças limitantes

Crenças limitantes são ideias ou suposições que temos sobre nós mesmos, outras pessoas ou o mundo. Essas ideias nos limitam porque nos impedem de ver o que é possível, de avançar, de nos desenvolver e de alcançar nossos objetivos. Elas são construídas ao longo da vida a partir das experiências e influências que acontecem ao nosso redor, desde a infância.

Crenças limitantes geralmente incluem pensamentos sobre nossas aptidões, habilidades ou potencial. Por exemplo, podemos acreditar que não somos boa o suficiente ou inteligentes o suficiente para realizar algo ou para alcançar nossos objetivos. Essas crenças limitam nossas perspectivas e nossas ações.

crenças fortalecedoras

Crenças fortalecedoras são exatamente o oposto das crenças limitantes. Elas são pensamentos positivos que nos ajudam a acreditar em nosso potencial e nos permitem avançar e realizar nossos objetivos. Essas crenças são o que nos motiva e nos dá a confiança necessária para realizar nossas metas.

Crenças limitantes e crenças fortalecedoras têm um papel importante em nossa vida. As crenças limitantes nos mantém presos e nos impedem de avançar, enquanto que as crenças fortalecedoras nos dão a força para enfrentar os desafios e alcançar nossos objetivos.

Crenças limitantes e programas

Crenças limitantes são crenças, padrões de pensamento ou ideias que fazem parte da programação inconsciente do nosso cérebro e que limitam a nossa capacidade de alcançar as metas e objetivos desejados. Essas limitações podem ser desde crenças sobre a si mesmo até crenças sobre o mundo ao nosso redor, como por exemplo, aquelas que nos dizem que não somos capazes de mudar nossas vidas, que nunca vamos conseguir nosso emprego dos sonhos ou que nunca vamos conseguir enfrentar um medo. Em geral, são crenças negativas que nos impedem de avançar em nossas vidas.

Essas crenças limitantes se formam ao longo da nossa vida, através da influência de experiências passadas, da educação recebida, dos seus pais, professores, amigos, etc. Em geral, elas se formam durante a infância e se acumulam ao longo da vida.

A maioria das pessoas não é consciente dessas crenças limitantes, pois elas são profundamente enraizadas na nossa mente inconsciente. Essas crenças limitantes se manifestam em nossos pensamentos, crenças, comportamentos e hábitos e interferem significativamente na nossa capacidade de alcançar nossos objetivos.

Felizmente, é possível identificar essas crenças limitantes e trabalhar para substituí-las por crenças mais positivas e realistas. Isso pode ser feito com a ajuda de técnicas de coaching, psicoterapia ou outras técnicas de desenvolvimento pessoal. Ao trabalhar para mudar essas crenças limitantes, podemos desbloquear nosso potencial e alcançar o sucesso que desejamos.

Os 04 níveis de crenças limitantes

As crenças limitantes são crenças limitantes que nos paralisam e nos cegam ao que realmente é possível para nós. Estas crenças se encontram em quatro níveis principais que afetam nossa vida. Estes níveis são: crenças sobre nós mesmos, sobre outras pessoas, sobre o mundo e sobre Deus.

Primeiro, as crenças limitantes sobre nós mesmos são aquelas que julgamos como verdade sobre nós mesmos e sobre o que somos capazes de realizar. Por exemplo, acreditar que não somos capazes de fazer algo ou que não somos boas o suficiente para alcançar nosso objetivo. Pode nos paralisar e nos impedir de buscar nossos sonhos.

Em seguida, as crenças limitantes sobre outras pessoas são aquelas que fazemos sobre as outras pessoas e sobre o que elas são capazes de nos oferecer. Estas crenças podem nos limitar no tipo de relacionamento que temos com as outras pessoas. Pode nos fazer crer que as outras pessoas não nos entenderão, nos desrespeitarão ou nos rejeitarão.

Em terceiro lugar, as crenças limitantes sobre o mundo são aquelas que temos sobre o mundo ao nosso redor. Estas crenças podem nos limitar na forma como interagimos com as outras pessoas e com as situações que encontramos. Por exemplo, acreditar que o mundo é um lugar hostil ou que não temos controle sobre nossas vidas.

Por último, as crenças limitantes sobre Deus são aquelas que fazemos sobre Deus e sobre o que Ele pode ou não fazer por nós. Estas crenças podem nos limitar no tipo de relacionamento que temos com Deus. Por exemplo, acreditar que Deus não nos ouve ou que Ele não nos ama.

Crenças hereditárias

Muitas vezes, as crenças limitantes que carregamos com a gente foram absorvidas na infância ou herdadas de nossos familiares. Estas crenças são frequentemente instiladas em nós desde cedo, à medida que nossos pais, familiares, professores e outras figuras de autoridade nos ensinam o que é certo e o que é errado. Por exemplo, crenças hereditárias comuns podem incluir o conceito de que o trabalho duro é a única maneira de alcançar o sucesso, ou que não se pode ter mais do que aquilo que se ganha. No entanto, essas crenças limitantes podem limitar nossos potenciais na vida e nos impedir de alcançar nossos objetivos.

Crenças primárias e pessoais

As crenças limitantes ou limitantes se referem às crenças básicas que adquirimos a partir do nosso contexto cultural, família, e experiência de vida. Estas crenças influenciam fortemente nossas decisões e comportamentos atuais. Por exemplo, as crenças limitantes podem incluir expressões como ‘Eu não sou bom o bastante’ ou ‘Eu não sou capaz’. Essas crenças desacreditam nossa identidade e nos impedem de alcançar nossos objetivos.
Além disso, também existem crenças pessoais, que são as que adquirimos de experiências de vida específicas. Por exemplo, se você é rejeitado por alguém, pode se desenvolver uma crença de que você não é amado. Essas crenças pessoais também influenciam nossas decisões e comportamentos.
Ambas as crenças limitantes e pessoais podem afetar negativamente nossa vida, desacreditando nossa identidade e autoconfiança. Para lidar com elas, é importante conscientizar-se sobre quais são essas crenças e como elas estão afetando sua vida.

Crenças sociais e de nível histórico

As crenças limitantes estão associadas às nossas estruturas sociais, que muitas vezes são impostas pelos nossos grupos familiares e de amigos, mas também podem ser herdadas de experiências históricas que nos rodeiam. Por exemplo, os preconceitos relacionados a raça, gênero e status socioeconômico podem definir as regras sociais e moldar as crenças limitantes que temos. Enquanto algumas crenças limitantes podem nos ajudar a entender os nossos meios, elas também podem nos impedir de experimentar uma vida plena e autêntica.

Crenças do nível da alma

As crenças limitantes do nível da alma são aquelas que você carrega desde a infância e exercem um papel significativo em sua vida adulta. Essas crenças limitantes podem vir de experiências infantis, ensinamentos das autoridades e parâmetros de família. Diferentemente de crenças limitantes do nível mental, as crenças limitantes do nível da alma são muito mais profundas e difíceis de mudar, porque estão baseadas em experiências anteriores de vida. Essas crenças limitantes podem afetar sua vida profundamente, pois influenciam suas crenças sobre como você é como pessoa, sobre o mundo em que vive e sobre o seu valor como indivíduo.

Exemplos de Crenças limitantes

As crenças limitantes são pensamentos que nos impedem de alcançar nossos objetivos ou que nos fazem acreditar que não somos capazes de alcançá-los. Elas podem ser crenças que possuímos há muito tempo ou que adquirimos durante nossa vida. Alguns exemplos de crenças limitantes são:

Essas crenças limitantes podem nos impedir de atingir nossos objetivos e realizar nossos sonhos, pois nos impedem de acreditar que podemos alcançar o que desejamos. É importante reconhecer essas crenças e trabalhar para superá-las, pois elas podem nos impedir de avançar.

Crenças limitantes sobre Relacionamentos e Amor

Crenças limitantes são crenças profundamente arraigadas em nossas mentes, que afetam nossas experiências, decisões e atitudes em relação aos relacionamentos e ao amor. Estas crenças podem limitar nossa capacidade de estabelecer e manter relacionamentos saudáveis e felizes e, como resultado, também afetar nossa felicidade e bem-estar. Elas são criadas a partir de nossas experiências passadas, o que significa que muitos de nós temos crenças limitantes sobre relacionamentos e amor que estão atrasando nossa capacidade de ter relacionamentos saudáveis.

Algumas das crenças limitantes mais comuns em relacionamento e amor incluem o medo de se envolver em relacionamentos, que podem levar à inibição e fechamento emocional. Estas crenças também podem incluir a crença de que não seremos adequados para alguém, ou que não somos merecedores do amor, o que pode levar a sentir-se rejeitado e infeliz. Algumas crenças limitam nossa capacidade de estabelecer relacionamentos que possam durar, dando-nos a crença de que não podemos nos comprometer com outras pessoas, o que nos deixa mais desamparados e solitários.

Felizmente, é possível reconhecer essas crenças limitantes e trabalhar para superá-las. Ao desenvolver uma nova perspectiva, você pode permitir que seus relacionamentos e amor floresçam com mais felicidade e sucesso.

Alguns exemplos de crenças limitantes:

  • Eu não mereço o amor.
  • Amor é sinônimo de sofrimento.
  • Eu não sou digna de ser amada(o).
  • Eu tenho azar nos relacionamentos.
  • Eu tenho “dedo podre”.
  • Não soa boa(om) o suficiente para viver com o parceiro(a) que eu gostaria.
  • Os homens são infiéis.
  • As mulheres são iludidas.
  • Eu não valho a pena. 
  • Não sou atraente. 
  • Sou muito velha(o) para me apaixonar.
  • Casamento é uma prisão.
  • Eu sempre sou abandonada(o).
  • Eu sempre sou traída(o).
  • Eu me dou totalmente e a outra pessoa não se dedica tanto quanto eu na relação.
  • Se eu não conseguir fazer o outro feliz, serei rejeitada(o).
  • Se o outro realmente me conhecer, não vai me amar. 
  • Preciso de um relacionamento porque sozinha não estou completa(o).
  • Eu não deveria ter que pedir ao meu parceiro(a) o que eu quero.

Crenças limitantes sobre Dinheiro e Prosperidade

O dinheiro e a prosperidade afetam grandemente nossas vidas, afetando os relacionamentos que temos com nossas famílias e amigos, os trabalhos que desempenhamos, como gastamos nosso tempo e até mesmo como nos sentimos. Por causa dessa influência, muitas vezes desenvolvemos crenças limitantes sobre dinheiro e prosperidade.

Crenças limitantes sobre dinheiro e prosperidade são suposições profundas que acreditamos, mesmo quando elas não são verdadeiras ou não fazem sentido em nossas vidas. Essas crenças limitantes podem se manifestar como crenças limitantes sobre própria merecimento, dinheiro, trabalho, economia e até mesmo a abordagem que temos em relação ao sucesso.

Uma das crenças limitantes mais comuns sobre dinheiro e prosperidade é que as pessoas que possuem dinheiro são más ou desonradas. Isso é uma mentira que impede muitas pessoas de obter a prosperidade e a riqueza. Outro fator limitante comum é a crença de que as pessoas que são ricas são egoístas e, portanto, não merecem tanto dinheiro. Isso é uma visão muito limitada, pois há muitas pessoas ricas que são altruístas e que gastam seu dinheiro de forma responsável e ética.

Outra crença limitante comum sobre dinheiro e prosperidade é que a riqueza é algo que só pode ser conseguido por meios duvidosos, como ganhar na loteria, heranças ou outras formas de sorte. Isso, novamente, é uma visão limitada, pois muitas pessoas alcançam a riqueza por meio de seu trabalho árduo e dedicação.

alguns exemplos mais comuns:

  • Não há dinheiro suficiente.
  • Ganhar dinheiro é difícil.
  • Só ganho para pagar contas.
  • Nunca vou conseguir dinheiro suficiente ou não tenho dinheiro para nada.
  • Ganhar dinheiro fácil só se for esquema ou qualquer outra forma ilegal.
  • Sem trabalho duro não se consegue nada.
  • O mundo está em crise e por isso tudo está muito difícil para mim.
  • Não é possível viver do que se ama.
  • O dinheiro é a raiz de todo o mal.
  • Se eu for uma pessoa bem-sucedida, as outras vão me odiar.
  • Se eu fizesse um milhão de dólares, eu poderia perdê-lo e isso me faria muito mal, melhor ficar como estou.
  • Se eu tiver muito mais do que preciso para viver, muitas pessoas terão que viver sem.
  • É melhor ter menos do que ser responsável pelas dificuldades dos outros.
  • Se eu tiver um monte de dinheiro, eu estarei como que traindo meu pai, que nunca teve muito dinheiro.
  • É muito difícil lidar com dinheiro.
  • Para economizar dinheiro tenho que me privar das coisas.
  • O dinheiro não é espiritual.
  • Você tem que fazer muitas coisas que não goste, a fim de ter dinheiro.
  • Eu não tenho o suficiente para compartilhar ou doar.
  • Aceitar dinheiro me obriga a várias coisas.
  • O dinheiro estraga as pessoas.
  • É melhor e mais seguro ter apenas o suficiente para sobreviver.
  • As pessoas que têm dinheiro são gananciosas e tóxicas.

Crenças limitantes sobre Merecimento

As crenças limitantes sobre merecimento são aquelas que nos impedem de reconhecer o nosso valor e de acreditar que merecemos o que queremos. Elas são crenças internas e profundamente arraigadas que podem nos sabotar e nos impedir de alcançar nossos objetivos.

Algumas crenças limitantes comuns sobre merecimento são: eu não mereço isso; eu não sou digno de receber isso; não sou merecedor de sucesso; eu não mereço amor; e eu não posso merecer isso. Todas estas crenças limitantes têm um efeito profundo na nossa vida, pois nos impedem de tomar decisões de forma independente e de acreditar em nós mesmos.

Para inverter esses padrões limitantes, é importante identificar suas crenças limitantes sobre merecimento. Pergunte-se quais são as crenças que você tem sobre si mesmo e que estão te impedindo de ser quem você deseja ser ou de conquistar o que você quer.

Uma vez que você identificou essas crenças, é importante reconhecê-las, ter consciência delas e começar a desconstruí-las. Você pode começar a substituir cada crença limitante por crenças mais positivas e realistas, como: “eu mereço o melhor”, “eu sou digno de sucesso”, “eu mereço amor” e “eu posso merecer isso”. Ao mudar suas crenças limitantes, você estará abrindo caminho para alcançar seus objetivos e realizar seus sonhos.

alguns exemplos de crenças relacionada ao merecimento:

  • Eu não mereço amor, dinheiro, felicidade, abundância, sucesso, etc.
  • Eu não sou capaz.
  • Eu não sou boa o suficiente.
  • Estou muito velha para isso.
  • Já passei da idade.
  • Ainda não estou pronta(o).
  • Isso funciona para os outros, não para mim.
  • Tenho que ganhar a aprovação dos outros para me sentir bem comigo mesma(o).
  • Eu preciso fazer mais e mais para ser digna(o).
  • Se eu não for boa, as pessoas vão embora.
  • Quando o outro se afasta é porque não fui o suficiente, então preciso fazer mais e mais. 
  • As coisas nunca dão certo para mim.
  • Estou destinada(o) a essa vida porque essa é a situação da minha família.
  • É melhor dar do que receber.
  • Nunca vou conseguir alcançar meus objetivos ou realizar meus sonhos

Crenças Limitantes sobre Espiritualidade

Muitas pessoas acreditam que o desenvolvimento espiritual é algo que só pode ser alcançado mediante a prática de determinadas religiões, e às vezes esse pensamento limitante pode nos impedir de buscar conhecimento, desenvolvimento e autoconhecimento.

De modo geral, podemos dizer que as crenças limitantes sobre espiritualidade podem nos impedir de experimentar o significado mais profundo da nossa existência e do nosso papel no mundo. Por exemplo, algumas pessoas acreditam que é preciso seguir caminhos espirituais tradicionais, como religiões monoteístas, para se desenvolver espiritualmente. No entanto, isso limita o nosso acesso a outras fontes de autoconhecimento, pois a espiritualidade pode ser alcançada de muitas maneiras diferentes, como meditação, yoga, técnicas de respiração profunda, estudos espirituais, orações e até mesmo a prática do contínuo auto questionamento.

Além disso, acreditar que a espiritualidade e a religiosidade são coisas separadas pode nos impedir de aproveitar todos os benefícios espirituais da religião. Por exemplo, as religiões monoteístas oferecem não apenas uma conexão com Deus, mas também orientação moral, diretrizes éticas e a chance de se conectar com outras pessoas que compartilham os mesmos valores. Portanto, é importante lembrar que a espiritualidade e a religião não são necessariamente coisas separadas, e que ambas podem ser usadas para o desenvolvimento espiritual.

Alguns exemplos crenças espiritualidade:

  • Quem busca espiritualidade não busca prosperidade.
  • Espiritualidade e dinheiro não podem conviver de forma saudável.
  • Dinheiro é mundano e não cabe em nada que esteja relacionado a espiritualidade.
  • A verdadeira espiritualidade requer que se abandone tudo o que é material.
  • Não é certo envolver dinheiro nos trabalhos que envolvem cura espiritual como nas Terapias Energéticas.
  • O que me foi dado por Deus não pode ser usado para ganhar dinheiro.
  • Quem é espiritualizado de verdade coloca as necessidades dos outros antes da sua própria.
  • É preciso ser humilde para viver uma real espiritualidade (aqui o entendimento de humildade costuma estar relacionado com baixa renda e pouca prosperidade).
  • O ego é a raiz de todo o mal.
  • O ego precisa ser eliminado.
  • Para ser uma pessoa espiritualizada preciso ser boazinha e agradar a todos.
  • Preciso alcançar uma paz inabalável.
  • Meditar é ficar em paz e em silêncio mental.
  • Espiritualidade é espiritismo são a mesma coisa.
  • Preciso seguir uma religião, filosofia ou seita para ser espiritualizada.

Ferramentas para trabalhar crenças limitantes

Muitas vezes as crenças limitantes nos limitam, impossibilitando que façamos escolhas conscientes e nos impedindo de alcançar resultados mais satisfatórios. Embora o cérebro humano esteja programado para limitar o seu crescimento em direção ao que é familiar, é possível transformar esses padrões limitantes, para que a nossa vida não seja tomada pelas nossas próprias crenças.

Existem várias ferramentas que podem nos ajudar a trabalhar essas crenças limitantes. Alguns exemplos são:

– Meditação: a meditação é uma excelente maneira de relaxar e de trazer a atenção para dentro de nós mesmos. Isso nos permite observar as nossas crenças, reconhecendo e mudando aquelas que podem estar nos limitando.

– Visualização criativa: a visualização criativa é uma excelente ferramenta para nos ajudar a identificar e transformar as nossas crenças limitantes. O objetivo é imaginar o cenário de sucesso que desejamos e focar nessa imagem, enquanto permitimos que as crenças limitantes se dissolvam.

– Análise de crenças: uma técnica simples para trabalhar com as nossas crenças limitantes é analisá-las para que possamos compreender melhor onde elas vêm e como elas se manifestam. Podemos então trabalhar em direção a mudanças positivas.

– Práticas de afirmação: a técnica de afirmação é outra excelente ferramenta para nos ajudar a mudar as nossas crenças limitantes. Essa técnica envolve a repetição de frases positivas para nos ajudar a vencer qualquer crença limitante.

Desprogramação Neurobiológica (DNB)

é uma técnica de autocura que explora a conexão entre memórias negativas armazenadas ao longo da vida e o comportamento emocional e físico dos indivíduos. Ao reeducar o cérebro para desfazer crenças limitantes, o indivíduo é capaz de se tornar mais consciente dos seus pensamentos e, com isso, desenvolver estratégias que possam alterar seu comportamento. O DNB também ajuda a reprogramar sua memória e experiências, permitindo que as pessoas se libertem de crenças limitantes e adotem um estilo de vida mais saudável.

Conclusion

Concluímos que as crenças limitantes são sentimentos e ideias profundamente arraigadas que limitam o nosso potencial e criam limitações em nossas vidas. Elas podem manifestar-se em vários níveis, desde crenças hereditárias, passando por crenças primárias e pessoais até crenças sociais e de nível histórico. Existem várias ferramentas para trabalhar crenças limitantes, como a Desprogramação Neurobiológica.

No geral, as crenças limitantes são difíceis de enfrentar porque são crenças profundamente arraigadas e difíceis de desprogramar. No entanto, com a perseverança, determinação e a ajuda certa, é possível aprender a lidar com elas e permitir-se o crescimento e o desenvolvimento como ser humano. Ao encontrar e enfrentar nossas crenças limitantes, nós nos permitimos curar, crescer e nos abrir para o nosso verdadeiro potencial.

Gostaria de Receber conteúdos exclusivas Yoga, Meditação?

*Sempre que sair conteúdo novo, será notificado